Dança comigo

Março 12, 2008 at 11:20 pm 9 comentários

1538a.jpg

Entry filed under: cartoon.

ó pra ela! Mundo de aventuras 3

9 comentários Add your own

  • 1. João P.  |  Março 12, 2008 às 11:22 pm

    mais uma vez, FABULOSO

    Vamos ver é se é o vira e não o “vira o disco e toca o mesmo”. Para esse peditório o pessoal já deu

    Responder
  • 2. Maria A.  |  Março 13, 2008 às 5:36 pm

    Aqui na região saloia é moda ancestral o “Vira dos Três Pulos”. Se cada membro do trio desse um grande pulo…

    Responder
  • 3. MaisUmaProfessorazeca  |  Março 13, 2008 às 6:25 pm

    Contem comigo para ajudar a dar mais um passo…:)

    Responder
  • 4. LCC  |  Março 13, 2008 às 10:13 pm

    … cuidado que eu tenho o pé pesado!

    Responder
  • 5. C. Carvalho  |  Março 13, 2008 às 10:28 pm

    Atenção que esta táctica dos passos à frente e atrás já é muito conhecida.
    A Ministra recua nalguns pontos da sua política, enganando assim os incautos, para depois poder avançar mais à vontade.
    Não se deixem enganar.

    Responder
  • 6. Marianne  |  Março 13, 2008 às 11:12 pm

    Será que eles se deixam embalar pela música?

    Responder
  • 7. António Balbino Caldeira  |  Março 13, 2008 às 11:33 pm

    Um erro na luta dos professores pela sua dignidade e valorização consiste na redução do problema à ministra Maria de Lurdes Rodrigues.

    Compreende-se o interesse táctico dos sindicatos nessa redução: os sindicatos ligados ao PS querem proteger o primeiro-ministro; os sindicatos ligados ao PC não querem pôr em causa a utopia de uma aliança com o PS. O que não se compreende é a adesão dos professores a essa táctica que os sacrifica a interesses partidários egoístas.

    A solução para o impasse é simples: o alvo da indignação deve ser transferido da ministra para o primeiro-ministro José Sócrates.

    Tal como no caso das políticas do Ministério da Saúde, só quando as populações começaram a manifestar o seu descontentamento a José Sócrates é que este decidiu substituir o ministro Correia de Campos e suavizar a política de lock-out de hospitais e centros de saúde. Se os professores deixarem de atacar politicamente a ministra para passar a contestar o primeiro-ministro é que esta será demitida e a política mudada. Imediatamente.

    Sócrates é moralmente frágil e, por isso, apesar da fugaz teimosia colérica, não aguenta apupos.

    Responder
  • 8. Moriae  |  Março 14, 2008 às 12:27 am

    Concordo plenamente com o ABC “Sócrates é moralmente frágil e, por isso, apesar da fugaz teimosia colérica, não aguenta apupos.”
    A entrevista de hoje na SIC foi o melhor exemplo … o Sr. Primeiro Sinistro, ops, desculpem, leia-se Ministro, parecia uma donzela em festa de apresentação à ‘alta sociedade’.

    Responder
  • 9. bianca castafiore  |  Março 16, 2008 às 11:37 am

    António Balbino Caldeira põe o dedo na ferida. Era bom que não esquecessemos isto quando ponderamos o que queremos fazer a seguir. Tenho dúvidas sobre as estratégias que se têm definido.

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Março 2008
S T Q Q S S D
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

%d bloggers like this: